Dia Internacional em Memória das Vítimas da Escravidão e do Comércio Transatlântico de Escravos, por Ban Ki-moon

25/03/2013 · Artigos e Mensagens 

Mensagem do Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, para a data, observada em 25 de março de 2013.

Dia Internacional em Memória das Vítimas da Escravidão e do Comércio Transatlântico de Escravos

“O comércio de escravos durou 400 anos e fez mais de 15 milhões de vítimas. Os africanos e as pessoas de ascendência africana foram vítimas desses atos brutais e continuam sofrendo suas consequências.

No Dia Internacional em Memória das Vítimas da Escravidão e do Comércio Transatlântico de Escravos, dizemos ao mundo que nunca esqueça este crime contra a humanidade.

Não devemos nunca esquecer as torturas, os estupros e os inocentes assassinados, homens, mulheres e crianças, as famílias que foram separadas, as vidas que foram interrompidas e as horríveis condições nos navios negreiros, nas plantações e nos mercados de escravos. Estas degradações não podem ser enterradas pelo tempo, elas devem ser examinadas e compreendidas.

Ao refletir sobre as consequências desta tragédia contemporânea, vamos lembrar a coragem daqueles que arriscaram tudo pela liberdade e daqueles que os ajudaram nesse caminho perigoso. A sua coragem deve nos inspirar na luta contra as formas contemporâneas de escravidão, o racismo, a discriminação racial, a xenofobia e a intolerância correlata.

Neste ano, juntamente com a reflexão solene, temos um motivo especial para comemorar. Lembramos os 150 anos desde que Abraham Lincoln libertou milhões de afro-americanos da escravidão.

Este ano marca também outros acontecimentos importantes. Em 1833, a escravidão terminou no Canadá, nas Índias Ocidentais Britânicas e no Cabo da Boa Esperança. Há 170 anos, em 1843, a Lei da Escravatura Indígena foi assinada. A escravidão foi abolida há 165 anos na França, há 160 anos na Argentina, há 150 anos nas ex-colônias holandesas e há 125 anos no Brasil.

Neste dia, comprometamo-nos a honrar e restaurar a dignidade das pessoas afetadas e intensificar os esforços para eliminar os resquícios de escravidão que ainda persistem em nosso mundo.”

Conheça o contexto da data em http://bit.ly/XUPGf8

Assista ao documentário “A Rota do Escravo – A Alma da Resistência”

Neste filme, a história do comércio de seres humanos é contada através das vozes de escravos, mas também dos mestres e comerciantes de escravos.

Cada um conta sua experiência: da deportação de homens e mulheres para as plantações até o cotidiano do trabalho e os movimentos de abolição.

Produzido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), traduzido e dublado pelo Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio).

Comentários

Deixe seu comentário